Efeito camera de vigilância

domingo, 18 de novembro de 2012

SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA 9 ANO SPAECE 2012.23


AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORTUGUESA  SPAECE 2012 9 ANO- BLOCO 1
Texto I
A lebre e a tartaruga
     Era uma vez... uma lebre e uma tartaruga. A lebre vivia caçoando da lentidão da tartaruga.
Certa vez, a tartaruga, já muito cansada por ser alvo de gozações, desafiou a lebre para uma corrida.
A lebre, muito segura de si, aceitou prontamente. Não perdendo tempo, a tartaruga pôs-se a caminhar, com seus passinhos lentos, porém firmes.
     Logo a lebre ultrapassou a adversária e, vendo que ganharia fácil, parou e resolveu cochilar.
Quando acordou, não viu a tartaruga e começou a correr.
     Já na reta final, viu finalmente a sua adversária cruzando a linha de chegada, toda sorridente.
Moral da história: Devagar se vai ao longe!
                                                                                           http://www.qdivertido.com.br/verconto.php?codigo=29
QUESTÃO 1
O episódio da narrativa que contribui para a vitória da tartaruga é
(A) a decisão da lebre de parar e cochilar.            (B) o desafio de realizar uma corrida com a lebre.
(C) o desafio de correr para garantir a vantagem. (D) a decisão firme de caminhar com passos lentos.
QUESTÃO 2
O trecho que expressa uma opinião a respeito de um dos personagens é
(A) “Logo a lebre ultrapassou a adversária...”                  (B) “Era uma vez... uma lebre e uma tartaruga.”
(C) “A lebre, muito segura de si, aceitou prontamente.”  (D) “Quando acordou, não viu a tartaruga e começou                 
                                                                                                 a correr.
QUESTÃO 3
A finalidade deste texto é ensinar ao leitor que
(A) o sono renova as energias do corpo.                  (B) a caçoada do adversário garante a vitória.
(C) o êxito depende de dedicação e persistência.    (D) o esporte é necessário para manutenção da saúde.
QUESTÃO 4
As características do texto “A lebre e a tartaruga”, tais como – o tipo de personagens
e a presença de moral –, exemplificam o texto conhecido como
(A) receita.  (B) fábula.    (C) campanha publicitária.   (D) história em quadrinhos.
Texto II
Fada feiticeira
Geralda
É uma fada cozinheira
Que quando entra na cozinha
Até parece feiticeira.
É que seus molhos são pecados
As suas massas são feitiços
As suas carnes são caprichos
Quitutes da mãe brasileira.
Seus doces
 Seus bons-bocados, seus quindins
Suas pamonhas, seus bombons
Suas paçocas, seus pudins.
Quando ela faz a sobremesa
É sempre o prato mais gostoso
Vem um perfume saboroso
Que todo mundo vai querer
Pegar
        Sentir
                Mexer
                          Cheirar
                                     Provar
                                               Lamber
                                                                    Morder
                                                                               Comer
                                                                               Ricardo Azevedo. A casa do meu avô. São Paulo: Ática, 2003.
QUESTÃO 5
Os versos 17 a 24, construídos por meio de verbos, expressam
(A) os passos a serem seguidos por aqueles que desejam cozinhar bem.
(B) os desejos das pessoas ao sentirem o perfume da sobremesa de Geralda.
(C) as atitudes adotadas pela fada feiticeira ao preparar seus feitiços.
(D) as instruções para preparação dos quitutes da mãe brasileira.

Texto III
Receita de espantar a tristeza
                                                                 Faça uma careta
                                                                 E mande a tristeza
                                                                 Pra longe, pro outro lado
                                                                 Do mar ou da lua
                                                                 
                                                                Vá para o meio da rua
                                                                 E plante bananeira
                                                                 Faça alguma besteira

                                                                Depois estique os braços
                                                                Apanhe a primeira estrela
                                                                E procure o melhor amigo

     Para um longo e apertado abraço
                                                                       Roseana Murray. Receitas de olhar. São Paulo: FTD, 1997.
QUESTÃO 6
Os versos do poema que expressam o significado da expressão “espantar a
tristeza”, presente no título do texto, é
(A) “Vá para o meio da rua E plante bananeira”          (B) “Depois estique os braços Apanhe a primeira estrela”
(C) “E mande a tristeza Pra longe, pro outro lado”      (D) “E procure o melhor amigo Para um longo e apertado                           
                                                                                            abraço”

Texto IV
                                     Lendas do nosso folclore Mula-sem-cabeça
É um animal quadrúpede com aparência de mula, como o próprio nome diz. Não tem cabeça e solta fogo pelo pescoço. Soluça como se fosse gente e, com seu galope, assusta as pessoas que saem a andar nas noites de lua cheia. Para afugentá-la, basta esconder dentes e unhas. Nosso folclore, de Maria Regina Pereira e Zuleika de Almeida Prado.                                                             São Paulo: Ave-Maria, 1999.
QUESTÃO 7
As palavras que se referem à expressão “mula-sem-cabeça”, sem alterar a continuidade do texto, são
(A) fogo / unhas. (B) gente / galope. (C) pessoas / dentes. (D) animal quadrúpede / la (afugentá-la).

Texto V
Sempre o Juquinha
      No primeiro dia de aula, a professora explica que vai testar a capacidade de
raciocínio das crianças, fazendo-as ligar determinadas características ao animal
certo. Chama o Juquinha e começa:
– Quem pia é...
– Pião! – diz o garoto terrível.
Com paciência, a professora diz que é o pintinho da galinha que pia.
– Vou lhe dar outra chance: quem ladra é...
– Ladrão!
A professora, irritada, explica que é o cachorro.
– Seu Juquinha, vou lhe dar a última chance: quem muda de cor é...
E o Juquinha:
– Semáforo!
                                                                                                Almanaque Brasil de Cultura Popular. São Paulo, ano 2, n. 15, jun. 2000, p. 30.
QUESTÃO 8
Nos trechos ”– Quem pia é ...”; “quem ladra é...”; “quem muda de cor é...”, o uso das reticências, em relação ao aluno, reforça a
(A) oportunidade de completude da fala. (B) informação sobre extinção de animais.
(C) expressão de irritação da professora. (D) falta de resposta dos alunos.

Texto VI
Dez dicas para você não fazer feio na cozinha
1 – Lave bem as mãos antes de começar a fazer qualquer receita.
2 – Se você tiver cabelo comprido, prenda-o com um elástico.
3 – Use um avental para não sujar a roupa.
4 – Evite chegar perto do forno quando ele estiver quente.
5 – Meça os ingredientes e deixe-os separados antes de fazer a receita.
6 – Guarde os utensílios que já foram usados no lugar onde estavam anteriormente.
7 – Jogue fora os restos de embalagens que não serão reaproveitados.
8 – Não fique perto de panelas com água fervente.
9 – Nunca corra dentro da cozinha, principalmente com objetos na mão.
10 – Não use facas pontudas. Se precisar cortar algum ingrediente, peça a seus pais ou a algum adulto que o ajudem.
                                                                                                               Folha de São Paulo. São Paulo, 13 jul. 2002. Suplemento Folhinha.
QUESTÃO 9
O texto apresenta uma lista de
(A) ingredientes exigidos para o preparo de qualquer prato.
(B) comportamentos que devem ser adotados na cozinha.
(C) utensílios necessários à preparação de uma receita.
(D) regras de higiene fundamentais na cozinha.
QUESTÃO 10
O trecho do texto que apresenta o interlocutor específico para o qual o texto está
dirigido é
(A) “Lave bem as mãos antes de começar a fazer qualquer receita.”
(B) “Use um avental para não sujar a roupa.”
(C) “Jogue fora os restos de embalagens que não serão reaproveitados.”
(D) “Se precisar cortar algum ingrediente, peça a seus pais ou a algum adulto que o
ajudem.”

Texto VII
QUESTÃO 11
Na história em quadrinhos que você leu, a expressão “Irado!” aparece no título e no quinto quadrinho com o sentido de
(A) sensacional.
(B) revoltante.
(C) medonho.
(D) curioso.
QUESTÃO 12
Maluquinho não caiu do touro mecânico porque
(A) a torcida o estimulou.
(B) guardou chicletes no bolso de trás.
(C) o touro mecânico movimentou-se devagar.
(D) desenvolveu a habilidade com treinamento.
QUESTÃO 13
No terceiro quadrinho, a fala da personagem indica ao leitor que
(A) as crianças desconhecem a participação do Maluquinho na brincadeira.
(B) as crianças surpreendem o Maluquinho na brincadeira do touro.
(C) os adultos descobrem o truque do personagem Maluquinho.
(D) os adultos tentam esconder as travessuras do Maluquinho.

Texto VIII

QUESTÃO 14
A expressão “CHUAC!” reproduz
(A) o som do beijo da personagem no sapo.
(B) o susto que o sapo levou ao ser beijado.
(C) o surgimento de uma ideia repentina.
(D) o desejo realizado por um príncipe.
QUESTÃO 15
No último quadrinho, a fisionomia do sapo mais os corações ao seu redor revelam
(A) medo em relação à atitude da personagem Mônica.
(B) reconhecimento do assombro vivido pela personagem Mônica.
(C) encantamento do personagem em relação à transformação ocorrida.
(D) curiosidade do personagem sobre a presença da “fada madrinha”.

 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORTUGUESA  SPAECE 2012 9 ANO- BLOCO 2


Texto I
Pã, uma divindade rural
     De acordo com a mitologia greco-romana, Pã ou Pan é o deus dos bosques e dos campos, dos rebanhos e dos pastores. Morava em grutas, vagava pelas montanhas e pelos vales e divertia-se caçando ou dirigindo as danças das ninfas (divindades dos rios, dos bosques, das florestas e dos campos). Amante da música, inventou a avena, uma flauta, que tocava exemplarmente.
      Pã era temido por todos aqueles que tinham que atravessar as matas durante a noite, pois as trevas e a solidão desses lugares predispunham as pessoas a medos e superstições.
Por isso, os pavores desprovidos de causas aparentes eram atribuídos a Pã e
chamados de pânico.
                                    Fonte: Thomas Bulfinch. O livro de ouro da mitologia.Rio de Janeiro: Ouro, 1967
QUESTÃO 1
Em “(...) e a solidão desses lugares (...)”, a expressão em destaque” refere-se
(A) às montanhas.
(B) aos vales.
(C) aos bosques.
(D) às matas.

Texto II
     Todo acontecimento da cidade, da casa do vizinho, meu avô escrevia nas paredes. Quem casou, morreu, fugiu, caiu, matou, traiu, comprou, juntou, chegou, partiu. Coisas simples como a agulha perdida no buraco do assoalho, ele escrevia. A história do açúcar sumido durante a guerra estava anotada. Eu não sabia por que os soldados tinham tanta coisa a adoçar.[...]. E a casa de corredor comprido, ia ficando bordada, estampada de cima a baixo. As paredes eram o caderno do meu avô. Cada quarto, cada sala, cada cômodo, uma página (...). Conversa mais indecente ele escrevia bem no alto. Era preciso ser grande para ler, ou aproveitar quando não tinha ninguém em casa.(...).
     Enquanto ele escrevia, eu inventava histórias sobre cada pedaço da parede.
A casa do meu avô foi o meu primeiro livro. (...) Apreciava meu avô e sua maneira de não deixar as palavras se perderem.
                                                         Trecho extraído de Bartolomeu Campos Queirós. Por parte de pai. Belo Horizonte: RHJ, 1995.
QUESTÃO 2
O trecho em que o autor deixa clara a admiração que tinha pelo avô é
(A) “Todo acontecimento da cidade, da casa do vizinho, meu avô escrevia nas paredes”.
(B) “A história do açúcar sumido durante a guerra estava anotada.”
(C) “A casa do meu avô foi meu primeiro livro”.
(D) “Apreciava meu avô e sua maneira de não deixar as palavras se perderem”.
QUESTÃO 3
O uso da palavra “Enquanto”, no 2° parágrafo, estabelece a seguinte relação com o 1° parágrafo:
(A) Simultaneidade entre as ações do avô e os pensamentos do menino.
(B) Comparação entre os pensamentos do avô e os do menino.
(C) Atemporalidade nas ações e pensamentos dos personagens.
(D) Contradição nos aspectos específicos entre avô e neto.

Texto III
                                                       LIBERDADE
                             É não depender de droga nenhuma pra viver.
      Você sabia que os remédios sem indicação médica, a cola de sapateiro, o álcool e o cigarro são as drogas mais consumidas no Brasil? São as mais comuns e, por isso mesmo, muito traiçoeiras. Porque o pior de toda droga nem é o risco de morte, é a certeza de uma vida de dependência. Quem ainda acredita que as drogas libertam, é candidato a escravo. Porque a outra palavra para liberdade é independência.
                                                         Campanha publicitária do Ministério da Saúde – Brasil: Governo Federal
                                     A GENTE AJUDA VOCÊ A SAIR DESSA. LIGUE: TELESUS – DDG (061) 800.0778
QUESTÃO 4
A finalidade do texto é
(A) alertar as pessoas para o uso indevido de remédios.
(B) chamar a atenção para os malefícios da dependência química.
(C) informar sobre todos os tipos de drogas existentes.
(D) buscar soluções para os usuários das drogas mais consumidas.

Texto IV
           Neologismo
Beijo pouco, falo menos ainda.
Mas invento palavras
que traduzem a ternura mais funda
E mais cotidiana.
Inventei, por exemplo, o verbo teadorar.
Intransitivo
Teadoro, Teodora.
               http://www.casadobruxo.com.br/poesia/m/neo.htm

 












QUESTÃO 5
O sentido da palavra do título - Neologismo - está ratificado no seguinte verso:
(A) “Beijo pouco, falo menos ainda”.
(B) “Mas invento palavras”.
(C) “É mais cotidiana”.
(D) “Intransitivo”.

Texto V
                                  Sai o primeiro condomínio com energia eólica
       O primeiro empreendimento imobiliário com produção de energia eólica no Brasil é residencial e será lançado este mês, em Florianópolis. O projeto, batizado de Neo, prevê a instalação de duas turbinas de vento, uma em cada torre. Elas farão o aquecimento de toda a água que será consumida pelos 24 apartamentos do condomínio, cuja entrega está prevista para março de 2012.
[...]
        “A tecnologia será capaz de produzir 100% da energia que será usada no condomínio, que não utilizará nenhum tipo de combustível fóssil. Hoje, apenas o aquecimento da água representa 50% do gasto com energia nas regiões Sul e Sudeste”, diz Suchodolski. [...]
        Ainda segundo Suchodolski, o empreendimento terá outros dispositivos sustentáveis, como uma estação de tratamento de esgoto, com direito a uma cisterna específica para água a ser reutilizada, destinada, por exemplo, à irrigação das áreas verdes. Dessa forma, completa ele, o consumo será reduzido em 50%: “Além disso, o condomínio usará madeira de reflorestamento certificada, tintas e vernizes à base de água.”
                                                                                               http://www.zap.com.br/revista/imoveis/condominio
QUESTÃO 6
O condomínio a ser construído tem a finalidade de
(A) divulgar uma nova tecnologia.
(B) conter a expansão imobiliária na região.
(C) preservar o meio ambiente.
(D) diminuir o alto consumo de

Texto VI
                 Ao namorado fanático
Você sabe que sou tão
apaixonada por você quanto você
é apaixonado pelo seu time. Mas
acho uma lástima gastar tanto
amor por um timinho como esse
seu. Ele já há muito tempo não te
dá nenhuma alegria.















Texto VII
           Além de linda, é do meu time
Naquela tarde, quando a vi pela
primeira vez vestindo o uniforme do
meu time, integrada à nossa torcida
uniformizada, senti meu coração
bater descompassado.
http://1001cartasdeamor.terra.com.br/


 







                                                                                                                                                                                                                        

QUESTÃO 7A comparação entre os textos VI e VII nos permite afirmar que
(A) em VI, há a valorização do amor dos enamorados e do amor ao time preferido; em VII, é exaltado o amor à torcida organizada.
(B) em VI, há a expressão sobre a facilidade dos enamorados torcerem pelo mesmo time; em VII, é indicada a dificuldade de um relacionamento de namorados de torcidas diferentes.
(C) em VI, há a abordagem da alegria daqueles que amam e torcem para mesmotime; em VII, são apresentadas as frustrações oriundas da mesma torcida.
(D) em VI, há a revelação do sentimento negativo em relação ao time do amado; em VII, é exaltada a coincidência entre amor e futebol.
Texto VIII
Bernardinho diz que derrota acontece, mas lembra que é preciso aprender
Técnico do Rio comenta irregularidade da equipe e parabeniza o Osasco
      Nos cinco últimos anos, o técnico Bernardinho esteve no alto do pódio de Superliga com a equipe do Rio de Janeiro. No entanto, neste domingo, em mais um duelo com o Osasco, o treinador se viu um degrau abaixo.
– A derrota acontece, mas é preciso aprender com ela. Buscar saber o que erramos para, da próxima vez, não pecarmos de novo - explicou o treinador.
        Bernardinho comentou que o Rio de Janeiro foi muito irregular na partida. Segundo ele, a equipe teve a chance do heptacampeonato, mas não soube aproveitar. Antes de deixar o ginásio do Ibirapuera, o técnico fez questão de ressaltar o esforço adversário.
– O Osasco está de parabéns. Sabíamos que não ia ser fácil, pois é sempre um grande rival. Estão brigando por este título há anos.
                                                                         http://globoesporte.globo.com/Esportes/Volei -19/04/2010
QUESTÃO 8
O trecho que apresenta um comentário do produtor do texto é
(A) “Nos cinco últimos anos, o técnico Bernardinho esteve no alto do pódio da Superliga com a equipe do Rio de Janeiro”.
(B) “No entanto, neste domingo, em mais um duelo com o Osasco, o treinador se viu um degrau abaixo.”
(C) “– A derrota acontece, mas é preciso aprender com ela.”
(D) “Antes de deixar o ginásio do Ibirapuera, o técnico fez questão de ressaltar o
esforço adversário”.

QUESTÃO 9
O trecho que revela a causa da derrota do Rio de Janeiro na Superliga Feminina é
(A) “ (...) Buscar saber o que erramos, (...) não pecarmos de novo.”
(B) “A derrota acontece, mas é preciso aprender com ela”.
(C) “ a equipe teve a chance (...), mas não soube aproveitar”.
(D) “(...) o técnico fez questão de ressaltar o esforço adversário”.

Texto IX
Qual É?
Marcelo D2
Eu tenho algo a dizer
Explicar prá você
Mas não garanto porém
Que engraçado
Eu serei dessa vez
Para os parceiros daqui
Para os parceiros de lá
Se você se porta
Como um homem, um homem...
Será?
Que você mantém a conduta
Será?
Que segue firme e forte na luta
Onde os caminhos da vida
Vão te levar
Se você aguenta ou não
O que será, será
Mas sem esse caô
De que tá ruim, não dá
Isso eu já ouvi, vi, venci
Deixa prá lá...
[...]
Então diz!
Essa onda que tu tira
Qual é?
Essa marra que tu tem
Qual é?
Tira onda com ninguém
Qual é?
Qual é neguinho?
Qual é?...
[...]
http://letras.terra.com.br/marcelo.d2/72679/http://letras.terra.com.br/marcelo-d2/72679/

 












































QUESTÃO 10
O trecho da letra da música que exemplifica o uso da linguagem informal é
(A) “[...] Eu serei dessa vez”
(B) “[...]você mantém a conduta”
(C) “[...]Isso eu já ouvi, vi, venci”
(D) “[...]Tira onda com ninguém”

Texto X
                     Epitáfio
                                       Sérgio Britto
Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...
Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração...
[...]
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...
[...]
                   http://letras.terra.com.br/titas/48968/

 


























QUESTÃO 11
O tema central da letra da música é
(A) a eternização do amor como solução para os problemas da vida.
(B) o arrependimento por não ter podido aproveitar mais as coisas da vida.
(C) a preocupação por não saber o que fazer nas diversas situações de vida.
(D) o sentimento de morte que perpassa todas as simples situações da vida.

Texto XI
                                             Conversa fiada
Era uma vez um homem muito velho que, por não ter muito o que fazer, ficava
pescando num lago. Era uma vez um menino muito novo que também não tinha muito o que fazer e
ficava pescando no mesmo lago. Um dia, os dois se encontraram, lado a lado, na pescaria, e no mesmo
momento, exatamente no mesmo instante, sentiram aquela puxadinha que indica que o peixe mordeu a isca. [...] Quando apareceram os respectivos peixes, porém, decepção: o peixe do menino era muito velho e o peixe do velho era muito novo!
O velho disse para o menino:
– Você não pode pescar esse peixe tão velho! Deixe que ele viva o pouco da vida que lhe resta.
O menino respondeu:
– E o que você vai fazer com este peixe tão novo? Ele é tão pequeno... deixe que ele viva mais um pouco!
O velho e o menino olharam um para o outro e, sem perder tempo, jogaram os peixes no lago.
Ficaram amigos e agora, quando não têm muito o que fazer, vão até o lago, cumprimentam os peixes e matam o tempo jogando conversa fora.
                                                                                    FRATE, Diléa. Histórias para Acordar. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1996
 QUESTÃO 12
O fato responsável pelo desenrolar da história é
(A) o encontro e a pescaria do menino com o velho no lago.
(B) o peixe do velho ser muito velho.
(C) o peixe do menino ser novo e pequeno.
(D) o retorno dos peixes ao lago.


QUESTÃO 13
A expressão da personagem feminina - Mafalda -, no primeiro quadrinho, reforça
(A) a gravidade da doença revelada no 4° quadrinho.
(B) a objetividade da resposta do personagem feminino no 2° quadrinho .
(C) as falas dos personagens no 3° quadrinho.
(D) a preocupação da pergunta do personagem masculino no 2° quadrinho.
Texto XIII
                                                                      Orion
                                       A primeira namorada, tão alta
                                       que o beijo não alcançava,
                                       o pescoço não alcançava,
                                       nem mesmo a voz a alcançava.
                                       Eram quilômetros de silêncio.
                                        Luzia na janela do sobrado.
                          (Carlos Drummond de Andrade. Poesia completa e prosa. Rio de                      
                                                                                         Janeiro:Aguilar, 1973.p392)
Glossário:
Orion – Constelação do equador celeste, reconhecida em todo o mundo, por incluir
estrelas brilhantes e visíveis de ambos os hemisférios da Terra.
 
QUESTÃO 14
Para enfatizar a ideia expressa no poema, reforçada no verso “Eram quilômetros de silêncio”, o recurso utilizado foi
(A) a presença da vírgula no 2° verso, ratificando a negação.
(B) o isolamento do sexto verso, formando uma estrofe.
(C) a repetição da vírgula no 3° verso, separando as ações.
(D) a presença de uma estrofe, formada por cinco versos.
 
QUESTÃO 15
O uso da expressão “tão alta” no primeiro verso e o título do poema reforçam a ideia de
(A) dedicação completa do eu poético à mulher amada.
(B) distanciamento total do eu poético da mulher amada.
(C) sofrimento do eu poético e da mulher amada.
(D) sensação forte de imaturidade da mulher amada.
 





6 comentários:

  1. Aproveitem as últimas horas da chegada do Spaece 2012! Qualquer coisa estou aqui!

    ResponderExcluir
  2. Olá João! Você poderia me enviar a resposta da questão 12? (texto Conversa Fiada)

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Professor. Suas atividades são ótimas. Gostaria muito que me enviasse o gabarito. Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia!
    Poderia me enviar o gabarito da questão 8?
    Att,
    Elisangela

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Professor. Suas atividades são ótimas. Gostaria muito que me enviasse o gabarito. Obrigada!

    siliaduarte@hotmail.com

    ResponderExcluir